Registro sobre a entrevista do ministro Ives Gandra: "É preciso flexibilizar direitos sociais para haver emprego"

06.11.2017

Senador Paulo Paim (PT/RS)
paulopaim@senador.leg.br

Senhor Presidente,
Senhoras e Senhores Senadores. 

Tenho respeito pessoal pelo ministro Ives Gandra – Presidente do Tribunal Superior do Trabalho (TST). 
Agora, dizer, como ele disse, que "É preciso flexibilizar direitos sociais para haver emprego", é de um absurdo monumental.

Não há um único país que essa fórmula funcionou. Pelo contrário, os números de desemprego até aumentaram.

Há de se destacar que durante o período de 2003 e 2010 (governo Lula), não houve reforma trabalhista... 

O número de desempregados diminuiu, chegou-se a falar na época que estaríamos vivendo um período de pleno emprego.    

Optar pelo negociado acima do legislado, terceirização e a reforma trabalhista é sim 

negar o desemprego, o trabalho escravo e infantil, ...

... os baixos salários, as péssimas condições de segurança e as discriminações que ainda existem em muito no País.

O que gera de fato emprego e renda é uma indústria nacional forte, a expansão do mercado interno, ...

... o desenvolvimento cientifico e tecnológico, uma infraestrutura necessária para os investidores, ...

... forte apoio as micros, pequenas e médias empresas, taxa de juros que estimule o mercado sem empobrecer a população.
O que vai gerar emprego e renda é um novo pacto federativo, em que os nossos irmãos federados tenham mais autonomia e recursos para seguirem em frente com suas realidades.  

O que vai gerar emprego é o pé no freio na valorização da taxa de câmbio. Uma moeda valorizada diminui a competitividade das empresas nacionais no mercado internacional e desestimula os investimentos das empresas estrangeiras no País.  

O que vai gerar emprego é uma nova concepção tributária e fiscal menos regressiva e que não penalize os mais pobres. Que os poderosos paguem justamente... 

Não é com a redução de direitos sociais e trabalhistas que o Brasil vai sair do atoleiro e gerar emprego e renda. Essa política é a das piranhas do mercado, que para aumentar as suas riquezas fazem de tudo, até mesmo acabar com a dignidade humana. 

Eu acredito muito, e historicamente os dados mostram, que a valorização do salário mínimo é fundamental para a criação de novos postos de trabalho e aumento da renda do trabalhador.

Por isso, senhor Presidente, junto com movimentos sociais e sindicais, com filiados a partidos, independentemente da cor ideológica, de não filiados, de líderes religiosos, ...

... estamos discutindo a Frente Ampla pelo Brasil. 
Buscamos agregar, debaixo para cima, as forças da sociedade para a construção de um verdadeiro projeto de nação, que tenha como base, primeiramente, a valorização da nossa gente e do nosso povo trabalhador. 

Era o que tinha a dizer,
Sala das Sessões, 6 de novembro de 2017.

Senador Paulo Paim.        

Compartilhe nas redes sociais: