Em defesa da democracia

11.09.2019

Senador Paulo Paim (PT/RS)
paulopaim@senador.leg.br

Senhor Presidente,
Senhoras e Senhores Senadores. 

Sobre democracia e liberdade, eu poderia iniciar a minha fala de hoje citando grandes nomes como Lincoln, Mandela, Tancredo Neves, Churchill, Celina Guimarães Viana, Ulisses Guimarães, Anita Garibaldi, Florestan Fernandes. 

Mas, optei, primeiramente, pelo ex-Secretário-geral da ONU, Ban Ki Moon. 

Uma vez ele disse que “a democracia não é apenas um fim em si. É também um poderoso vetor de progresso econômico e social, ...

... de paz, de segurança e de respeito pelos direitos e liberdade fundamentais”. 

Da tinta telúrica de Cervantes, Dom Quixote, que era um homem livre, assim encantou: ... 

“Com ela não podem igualar-se os tesouros que a terra encerra nem que o mar cobre; ...

...pela liberdade, assim como pela honra, se pode e deve aventurar a vida, e, pelo contrário, o cativeiro é o maior mal que pode vir aos homens. A liberdade não é um pedaço de pão”. 

Senhor Presidente,

O que passa pela cabeça daqueles que acusam a democracia e a liberdade como duplas espúrias de um processo que só atravanca o desenvolvimento? Somente a ignorância.

Não há democracia sem liberdade e nem liberdade sem democracia. Elas são gêmeas, gatos siameses. Acusar uma é levar também a outra às sombras, aos subterrâneos do autoritarismo e do pensamento único. 

Já tivemos esse tipo de experiência no país. Foi dolorida. Muitos foram torturados, outros tantos tombaram... 

Por isso, devemos ficar atentos, olhos abertos, vigiando e levando através da palavra o nosso alerta.   

Acusam os poderes constituídos, batem na Constituição, atacam a política, a democracia e a liberdade...

Colocam todos na mesma vala comum. Miram o status quo vigente como sendo nefasto para as mudanças que o país precisa. 

O ministro da propaganda nazista, Goebbels, usava a premissa: uma mentira dita mil vezes, acaba virando verdade. 

Mas aqui, Senhoras e Senhores, a necessidade não pode ser desculpa para pedir o fim dos regimes democráticos. Isso é causa dos imbecis. Para quem não sabe ou quer enganar, há ditaduras tanto de esquerda quanto de direita.    

Observem o modus operandi... 

Ele é usado, principalmente, nas redes sociais. Com objetivo de manipular, de entrar no subconsciente das pessoas, e, assim, massificando ideias nada democráticas e republicanas...

Dalí a pouco, ouviremos vozes nas ruas pedindo o fechamento do Congresso Nacional e do Poder Judiciário. E isso será, para eles, uma questão natural.   

A fala de qualquer cidadão atacando a democracia é inaceitável, principalmente se vier daqueles que foram eleitos pelo processo democrático... 

... sejam eles vereadores, prefeitos, governadores, deputados estaduais e federais, senadores, presidentes da República.   Não aceitamos ataques ao estado democrático de direito. É preciso repúdiar. 

O processo democrático é lento, nós sabemos, mas é o único legítimo. É ele que garante a estabilidade política e social. Afronta-lo é conspirar contra o povo. 

Dizia o gaúcho Honório lemes: “Quero leis que governem homens, não homens que governem leis. 

A história memoriza. A realidade confirma. E aqui termino com uma frase que no fundo resume muito bem o momento que o nosso país atravessa: “Onde termina lei começa a tirania”.

Era o que tinha a dizer,
Sala das Sessões, 11 de setembro de 2019.
Senador Paulo Paim.  
Compartilhe nas redes sociais: