Paim afirma que a reforma da Previdência não será aprovada este ano Notícia postada em 05.09.2017
O senador Paulo Paim (PT/RS), presidente da CPI da Previdência afirmou nesta segunda-feira (4), que a PEC 287/2016, que trata da reforma da Previdência não tem voto suficiente para ser aprovada este ano.

A afirmação foi feita durante audiência pública na Câmara Municipal de Esteio/RS. Além disso, Paim fez duras críticas ao governo Temer em querer aprovar essa reforma sem ampla discussão com a sociedade.
 
“Eles não tem os votos necessários, se tivessem já teriam colocado em votação. São necessários 3/5, ou seja, 309 deputados e 49 senadores e isso eles não tem”, argumentou. 

O senador comentou sobre o decreto do presidente Temer que acabaria com a Reserva Nacional de Cobre (Renca), na Amazônia. Área de preservação ambiental que equivale ao tamanho do estado do Espírito Santo ou oito vezes o tamanho do Distrito Federal. “Esse governo pretendia acabar com a Renca, porém com a pressão popular ele não conseguiu”, disse. 

CPI da Previdência na reta final 

O relatório da Comissão deve ser apresentado no dia 6 de novembro. “Ao encerrar os trabalhos da CPI, será entregue aos deputados, senadores, imprensa e até ao presidente da República o relatório final, comprovando que o problema da Previdência é de gestão. Não há déficit. A Previdência é superavitária”, afirmou. 

Para o senador, grandes empresários deste país como a JBS e os bancos recolhem dos trabalhadores, mas não repassam para a Previdência. “Apropriação indébita é roubo! Certa parcela do empresariado se apropria de R$ 30 bilhões que é tirado do trabalhador e não vai para os cofres da Previdência e essa conta não é do povo! Nós não pagaremos! Cobrem de quem deve!”. De acordo com o senador, os grandes devedores são os maiores financiadores das campanhas políticas. Hoje, 73 deputados e 9 senadores estão envolvidos com empresas devedoras da Previdência.  

Mobilização popular

Para acabar com a desilusão do povo brasileiro, Paim disse que “venderam a ideia de que se a presidenta Dilma Rousseff saísse, todos os problemas do mundo seriam solucionados. Estas pessoas foram enganadas, pois viram que no lugar colocaram uma quadrilha que está assaltando o país. O brasileiro sentiu como as coisas pioraram e agora estão desiludidos com a política”. 

O senador defende a criação de uma Frente Ampla pelo Brasil. Além de apostar em mudanças nas eleições de 2018. “Devemos realizar encontros municipais para discutir as necessidades do povo brasileiro e as questões que envolvem os direitos trabalhistas e previdenciários. Sabemos que não temos o apoio da grande mídia, mas dos sindicatos de todo o país. Devemos fazer reuniões nas universidades, nos sindicatos, nas associações, e em nossas casas”.

“A Frente Ampla Pelo Brasil não é uma corrente, não é um partido. Queremos os melhores quadros da classe trabalhadora e da sociedade contribuindo e construindo um novo projeto de nação. A Frente Ampla somos nós aqui reunidos”, declarou Paim. 

Estavam presentes os vereadores Léo Damer PT, Márcio Alemão (PT); Luiz Duarte (PT); Vereadora Ruti Viegas (PMDB); vereadora Sofia Cavedon; deputado estadual Altemir Tortelli; o ex-prefeito de Esteio Gilmar Rinaldi e o ex-prefeito de Sapucaia do Sul Vilmar Ballin. 
 
Rubem Pires Junior – MTb 9310/RS - Fone/watts (51) 98478.1393 - Fotos: Lutiana Mott 04.09.2017

Compartilhe nas redes sociais: