Reforma da Previdência tira direitos dos mais pobres e da classe média, diz Paim Notícia postada em 09.08.2019
O texto da reforma da Previdência (PEC 6/2019) é polêmico e a proposta deve ser debatida à exaustão e corrigida nos pontos em que for preciso, para evitar distorções. A opinião foi defendida pelo senador Paulo Paim (PT-RS) em Plenário, nesta sexta-feira (9).

Para o parlamentar, o Senado precisa se debruçar atentamente sobre o texto que acaba de chegar da Câmara. Paim defende a necessidade de fazer chegar ao conhecimento da sociedade o real teor da matéria, que, na avaliação dele, é desconhecido de boa parte da população, que não faz a mínima ideia do que está proposto. O papel do Senado, portanto, é ser protagonista e defender os brasileiros naquilo que mais lhes interessa, disse Paim, argumentando que não fazê-lo é o mesmo que se prestar a fazer da Casa uma simples carimbadora.

— A reforma tira direitos mesmo! Tira, todos reconhecem. Mesmo os que têm uma visão do outro lado admitem que ela tira direitos. E quem é que pode ficar alegre em aprovar uma reforma dessas? Poderia até dizer: “É com muita tristeza que vou ter que votar dessa forma, porque reconheço que estou tirando direitos”. Direitos sabe de quem? Não é só do mais pobre, mas da classe média. Que se prepare a classe média. Você acha que não estão pegando você nessa reforma? A classe média também se aposenta.

Agência Senado 

Compartilhe nas redes sociais: