Senado dará um tiro no pé se não revisar proposta de reforma, avalia Paim Notícia postada em 12.08.2019


PT no Senado
Reforma da Previdência

REFORMA DA PREVIDÊNCIA

Comissão de Direitos Humanos discutiu o papel do Senado em relação a proposta de reforma da Previdência aprovada pela Câmara

:: Rafael Noronha 12 de agosto de 2019  11:55

Foto: Alessandro Dantas

O senador Paulo Paim (PT-RS), presidente da Comissão de Direitos Humanos (CDH), disse nesta segunda-feira (12) que o Senado “dará um tiro no próprio pé” caso abra mão de debater e propor alterações na Proposta de Emenda Constitucional (PEC 6/2019) – Reforma da Previdência de Bolsonaro – aprovada pela Câmara dos Deputados e enviada ao Senado na última semana.

“Estou muito preocupado com a fala de alguns parlamentares na linha de que o Senado só tem que carimbar o que foi debatido e aprovado na Câmara dos Deputados. Isso preocupa todo o povo brasileiro. O Senado tem feito muito isso com Medidas Provisórias. Alegando não ter tempo para aprofundar o debate, acaba carimbando. O Senado dará um tiro no próprio pé se apenas carimbar e não aprofundar o debate, não fizer as revisões adequadas e as alterações necessárias”, disse.

Na avaliação do supervisor técnico do Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômico (DIEESE), Max Leno de Almeida, é fundamental que o Senado faça algumas reflexões e promova alterações a fim de minimizar os efeitos “nefastos” que a questão previdenciária pode trazer aos trabalhadores.

“[A proposta] ainda traz um risco muito grande de um desmonte da Previdência pública, universal e solidária. Até que ponto a Previdência vai deixar de ter esse importante papel num Brasil que tem características de distribuição de renda muito desigual? Essa é a grande luta que vem se encampando no âmbito da sociedade e nas discussões no Congresso”, questionou.

Para Maíra Custódio Mota Guiotto, vice-presidente da comissão de Previdência da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB–RS), a aposentadoria especial é um dos pontos passíveis de alterações na PEC 6. Segundo ela, o texto aprovado pela Câmara praticamente extingue o benefício implicando na exclusão da proteção previdenciária de inúmeros trabalhadores que expõem sua saúde e integridade física cotidianamente em atividades essenciais ao mercado de trabalho.

“Há a retirada da proteção a integridade física do trabalhador. E com a vedação do benefício, existe a restrição para uma enorme população que atualmente está exposta a explosivos, energia elétrica, inflamáveis e a vigilância patrimonial. Há uma gama de pessoas que ficarão desprotegidas caso a reforma avance no Senado sem modificação”, alertou.

FONTE: PT NO SENADO 
Compartilhe nas redes sociais: